Prefeitura pode contratar empresa de assessoria em licitações para emitir parecer jurídico?

Por Marcelo Souza Rocha

Apesar da Constituição Federal silenciar quanto a advocacia pública municipal, por força do Princípio da Simetria, é comum os municípios organizarem suas funções administrativas reproduzindo o desenho previamente estabelecido pela Constituição Federal e Estadual, mesmo não sendo de repetição obrigatória em toda a federação brasileira as normas dos artigos 131 e 132 da CF/88. Noutro giro, por reconhecer a presença das mais variadas e desiguais situações dos diversos municípios brasileiros, o e. STF entende que a federação brasileira é, por natureza assimétrica; por conta disso, sua jurisprudência tem se alinhado no sentido de ser possível não só ao ente municipal organizar sua própria procuradoria, mas também de poder incumbir a patronos diversos, até mesmo mediante contratação de terceiros, algumas das atribuições que originariamente seriam de seu procurador (RE 690.765/MG, DJe 12.8.2014 e ARE 638.045/GO, DJe 24.6.2014). Assim, em relação à primeira pergunta: caso o município não tenha Procuradoria, é possível contratar empresa de assessoria em licitação, inclusive para emissão de parecer jurídico. No segundo caso, tendo o município Procuradoria a primeira providência é consultar a legislação municipal para averiguar os limites e competências atribuídas ao procurador municipal. Caso não se encontre entre as atribuições do procurador emitir parecer jurídico em licitações, ou ainda caso seja permitida a terceirização das atividades do parágrafo único do art. 38 da Lei nº 8.666/1993. Como tal, deverá ser precedida da necessária justificativa que fundamente a limitação da cominação dessa incumbência ao procurador, limitando a contratação de serviços advocatícios apenas para atender a situações específicas e abstendo-se de contratá-los para execução de atividades rotineiras da procuradoria, salvo eventual demanda excessiva (Acórdão nº 449/2011-TCU-Plenário).

Compartilhe

Últimas Notícias

Café com Licitação traz como tema da 2ª edição a fiscalização dos conselhos profissionais pelo TCU

10/10/2019
O “Café com Licitação” desta quinta-feira (10/10) trouxe para o centro do debate a atuação dos conselhos profissionais e as ações de controle pelos tribunais de contas. Nessa edição contamos com a participação do advogado e especialista em conselhos profissionais, Jaques Reolon e do ministro do TCU, André Luís de Carvalho. Leia Mais

Primeiro curso aberto do Instituto Protege aborda novo decreto do pregão eletrônico

09/10/2019
Mais de 40 pessoas participaram nessa semana do primeiro curso aberto, ofertado pelo Instituto Protege. O tema da capacitação foi o Decreto nº 10.024, que estabelece a utilização obrigatória do pregão eletrônico para licitações no âmbito federal. Foram dois dias de palestras com professores e especialistas da área.
Não pode participar da primeira edição? Fique tranquilo que nessa sexta (11/12) divulgaremos as datas para a segunda edição com uma equipe de professores de alto nível. Leia Mais

Curso prepara setores público e privado sobre novo decreto do pregão eletrônico

07/10/2019
A utilização obrigatória do pregão em sua forma eletrônica, para a aquisição de bens e a contratação de serviços comuns em âmbito federal, é uma das novidades trazidas pelo Decreto nº 10.024, publicado no dia 23 de setembro. Essa e outras modificações incluídas na nova regra fazem parte da capacitação realizada pelo Instituto Protege. O curso, que vai até esta terça-feira (8/10), é ministrado pelos especialistas Jorge Ulisses Jacoby Fernandes, Ronny Charles, Victor Amorim e Murilo Jacoby. Na abertura, o secretário-adjunto da Secretaria de Gestão do Ministério da Economia, Renato Fenili, destacou as contribuições e ajustes da nova norma para atender as diferentes realidades dentro do país. Leia Mais

Contato



(61) 3548.0040 (61) 99177-1769
contato@institutoprotege.com.br

SHIS QL 12, Conjunto 4, Casa 20 – Península dos Ministros – Lago Sul – Brasília / DF