Medida Provisória detalha procedimento para dispensar licitação no combate ao coronavírus

Por Marcelo Souza Rocha*

Em matéria de minha autoria intitulada “Lei dispensa licitação para combater coronavírus”, já antecipava a necessidade de maior cautela pelo gestor, uma vez que, originalmente, a Lei nº 13.979/2020 estabelecera alguns procedimentos a serem observados em todas as contratações ou aquisições realizadas por dispensa de licitação.

Com a edição da Medida Provisória nº 926, de 20 de março de 2020, o Governo Federal avançou um pouco mais. Estabeleceu de modo objetivo quais os procedimentos que deverão ser observados pelo gestor público quando dispensar a licitação para aquisição de bens, insumos e serviços, inclusive de engenharia, quando destinados ao enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus.

Diante da gravidade da pandemia e com foco na responsabilidade social decorrente das medidas necessárias ao seu enfrentamento, a MP 926/2020 acrescentou à Lei nº 13.979/2020 vários requisitos, dos quais destaco:

  • As contratações não estarão restritas apenas à equipamentos novos, mas deve-se observar a responsabilização do fornecedor pelas plenas condições de uso e funcionamento do bem adquirido.
  • Desnecessidade de elaboração de estudos preliminares para o caso de bens e serviços comuns.
  • Termo de Referência simplificado, mas sem descurar da adequada estimativa dos preços, inclusive com o estabelecimento de parâmetros objetivos.
  • Possibilidade de redução dos prazos dos procedimentos do pregão pela metade, inclusive com atribuição de efeitos devolutivos aos recursos dos procedimentos licitatórios.
  • Dispensa de audiência pública para a realização de licitações simultâneas ou sucessivas de grande vulto
  • Possibilidade de acréscimos ou supressões em até cinquenta por cento do valor inicial atualizado do contrato (diferentemente da Lei nº 8.666/1993 que prevê a obrigatoriedade de os contratados aceitar acréscimos até vinte e cinco por cento)
  • Possibilidade excepcional, da dispensa de apresentação de documentação relativa à regularidade fiscal e trabalhista ou, ainda, o cumprimento de um ou mais requisitos de habilitação – exceto a prova de regularidade relativa à Seguridade Social e proibição disposta no inciso XXXIII do caput do art. 7º da Constituição – quando haver restrição de fornecedores ou prestadores de serviço. Também em caráter excepcional, será possível a contratação de única fornecedora do bem ou serviço a ser adquirido existente no mercado, ainda que vigente sua inidoneidade ou suspenso o seu direito de participar de licitação ou contratar com o Poder Público.
  • Os contratos celebrados terão prazos de duração de até seis meses, como a possibilidade de sucessivas prorrogações, enquanto perdurar os motivos que ensejaram a contratação (semelhante a dispensa de licitação por emergência tratada na Lei Geral de Licitações).

A MP 926/2020 acrescentou o art. 4º-B à Lei nº 13.979/2020, tornando presumido o atendimento da ocorrência de situação de emergência da qual decorra a necessidade de pronto atendimento, ante a existência de risco e cuja contratação estará limitada à parcela necessária ao atendimento da situação de emergência. Com essa construção, permanece válido o alerta que fiz no artigo anterior. O gestor deve ter cautela ante a possibilidade de surgir recomendações imotivadas para a realização de procedimentos dissonantes das medidas tratadas na Lei nº 13.979/2020.

Para além do que atualmente estabelece a Lei Geral de Licitações, no que se refere a obrigatoriedade do Gerenciamento de Riscos da contratação – a Lei nº 8.666/1993 que é omissa a esse respeito – a MP 926/2020 exige a realização do gerenciamento de riscos durante a gestão do contrato. Esta é uma novidade cuja tendência já se faz presente na jurisprudência do Tribunal de Conta da União e no PL nº 1292/1995 que se propõe substituir a Lei nº 8.666/1993.

Como dito, a ocorrência de situação de emergência é presumida pela MP. Logo, é importante considerar que a tramitação burocrática relacionada com a formalização do processo de contratação não pode ser óbice ao atendimento das medidas para o afastamento da situação emergencial, sob pena de submeter a indesejável risco a segurança de pessoas, obras, prestação de serviços, equipamentos e outros bens, públicos ou particulares.

O leitor poderá se questionar: então como atender aos procedimentos estabelecidos na MP 926/2020 sem prejudicar a celeridade exigida no enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente do coronavírus? Como resposta, acompanho o ensinamento do Professor Jacoby Fernandes, para quem “o que não se admite é a pactuação de um compromisso sem o prévio empenho, mas se o mesmo, no âmbito interno, é concomitante ou alguns dias a posteriori, com dotação suficiente e adequada, não há problemas maiores em flexibilizar a norma, conforme as rotinas da organização[1]. Então, o gestor deve ser ágil e criativo o suficiente para autuar o processo e, se a urgência da demanda o exigir, requisitar o produto ou iniciar a execução do serviço enquanto o processo segue seu caminho itinerante dentro da organização.

Como qualquer situação emergencial, um planejamento prévio e adequado deve se moldar às circunstâncias, mutáveis a cada momento; é como consertar um avião enquanto voa. Essa também é a realidade enfrentada pelo legislador que deve adequar as normas segundo a ocorrência dos fatos sociais. Certamente, outras medidas virão.

*Marcelo Souza Rocha é diretor executivo do Instituto Protege. Engenheiro de segurança. Bacharel em Direito. Especialista em gestão estratégica corporativa e gestão de riscos.


[1] Fernandes, Jorge Ulisses Jacoby, in Responsabilidade Fiscal. 2ª Ed. atual. rev. e ampl. Brasília Jurídica. 2002. p.9.

Compartilhe

Últimas Notícias

Oficina prática online – Coordenação Professor Jacoby Fernandes

07/04/2020
Faça um Programa de Integridade para os seus processos licitatórios. O Instituto Protege desenvolveu uma metodologia para ajudar os órgãos na elaboração de um Programa de Integridade específico para os procedimentos licitatórios, que pode ser aplicada na modalidade de oficina online. Mas por que você precisa disso?! Porque, além de promover um ambiente íntegro e confiável, em conformidade com a legislação, um Programa de Integridade assegura maior eficiência, efetividade e eficácia nas contratações, ajuda o gestor a estar em linha com as melhores práticas de gestão e permite reduzir sua exposição a riscos. Leia Mais

Comunicado importante!

03/04/2020
O Instituto Protege, dado o avanço da pandemia da COVID-19, zelando pela saúde e o bem estar dos inscritos e de todos os seus colaboradores, comunica o adiamento do curso "Pregão Eletrônico: soluções para os novos desafios", em data a definir para setembro de 2020, mantidas as demais condições para a sua realização.
Para mais informações: cursos@institutoprotege.com.br e/ou 61 99177-1769 (WhatsApp)
Agradecemos a compreensão de todos! Leia Mais

Contem conosco para enfrentar os novos desafios!

01/04/2020
Estamos comprometidos com a situação que enfrentamos no país. Como forma de auxiliar gestores, ordenadores de despesas, servidores públicos em geral, iremos dar acesso a nossa ferramenta tira dúvidas, o Perguntar Protege, aos 20 primeiros inscritos no www.institutoprotege.com.br/perguntar . Leia Mais

Contato



(61) 3548.0040 (61) 99177-1769
contato@institutoprotege.com.br

SHIS QL 12, Conjunto 4, Casa 20 – Península dos Ministros – Lago Sul – Brasília / DF

Atendimento via WhatsApp

Siga-nos